26.5.18

você é aquele arquivo difícil de apagar.

oi,
faz mais ou menos um mês que paramos de nos falar
e eu ainda me pergunto todas as noites,
será que você sente a minha falta?

eu ainda passo todos os dias na frente do seu trabalho,
e lembro toda semana da história que tivemos juntos.
porque tivemos que acabar assim?

agora você é quase um desconhecido pra mim
e que pouco me encanto quando te digo olá

o seu número ainda está no meu celular
e eu ainda releio todas as mensagens em que você dizia
me amar.

mas depois de tudo,
eu já não sei se aquilo era verdade.
e esse sempre vai ser o problema.
a gente nunca sabe o quanto as pessoas nos amam.

e eu sinto tanto a sua falta,
tanta saudade.

mas prefiro armazenar ela no meu corpo
como se fosse um computador.

como se todos os meus sentimentos por você
estivessem na pasta da lixeira,
aquela pasta que a gente só joga as coisas lá
mas nunca vemos o que tem,
mas no fundo a gente sabe que ela ocupa um pouco de espaço.

nada é apagado permanentemente.
a não ser que você queira.
e isso é o pior de tudo,
eu não quero que sua essência saia de mim.